Revelação Geral de Deus

Com base na observação do universo, estudando inclusive sobre as possíveis cosmovisões, facilmente chegamos a conclusão que vivemos em um universo teísta. Visto que nesta cosmovisão temos um Deus infinito e pessoal que vai além do universo e sendo seu criador.
Estando tanto do lado de fora, transcendente, quanto do lado de dentro, imanente. Com as seguintes bases racionais para crer nisto:
• Argumento cosmológico: defende a existência de um Iniciador para o universo, sendo a causa original, e um Sustentador do universo, sendo a causa atual.
• Argumento teleológico: que o universo parece ser (e é) brilhantemente projetado, o que implica na existência de um Projetista, com inteligência extraordinária para isto.
Encontramos na Bíblia uma série de descrições a cerca desses argumentos. Vemos em Gênesis 1. 1 “No princípio Deus criou os céus e a terra”. Notamos aqui que Deus já existia independente da criação sendo ele mesmo a causa dela. Em João 1.1-3, “No princípio, verbo, e o verbo estava com Deus e o verbo era Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, sem ele nada do que foi feito se fez”. O apóstolo Paulo afirma em Romanos “Porque dele, e por ele, e para Ele são todas as coisas” (Rm 11.36) e “… Deus, por causa de quem e por meio de quem tudo existe” (Hb 2 .10) ” Por tua vontade elas foram criadas e existem” (Ap 4.11) Ainda sobre o argumento de que o universo tem um projetista, justamente por ele ser um projeto infinitamente inteligente, sabemos que Deus é infinitamente Sábio e dele vem toda a sabedoria e o entendimento, ” Ó Senhor, com variadas são as tuas obras ponto de exclamação todas as coisas fizeste com sabedoria cheia está a terra das tuas riquezas” (Sl 104.24). ” O Senhor com sabedoria, fundou a terra; preparou os céus com inteligência” (Pv 3.19). “Ele fez a terra pelo seu poder; ele estabeleceu o mundo por sua sabedoria e com sua inteligência estendeu os céus” (Jr 10. 12).
Deus revela-se também pelo comportamento humano, através da lei moral e de forma inegável. Sabemos disso por meio das nossas reações, pois elas são base para os direitos humanos e o imutável padrão de justiça, que estabelece diferenças entre posições morais, assassinos e outras pessoas comuns, por exemplo. Se não houvesse lei moral não precisaríamos ficar nos desculpando por violá-la. As raízes do argumento moral a favor da existência de Deus são encontradas em romanos 2.12-15, onde o apóstolo Paulo fala que a humanidade é indesculpável porque tem a “lei escrita no coração”.
Além da Revelação Geral de Deus ocorrer na observação do universo e do comportamento humano, ela pode acontecer também através da observação da sociedade, por meio da história. Deus age sobrenaturalmente na história da vida de pessoas e também das nações. O apóstolo Paulo em romanos afirma que “Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem, foram por ele estabelecidas” (Rm 13.1).
Podemos observar mais nitidamente a soberania de Deus através da nação de Israel, principalmente através do cumprimento de várias profecias a cerca desta nação. Biblicamente, percebemos que por intermédio de Deus esta nação vem sobrevivendo ao longo da história desde Abraão até os dias atuais. Pois Deus vem por meio de Israel, revelando o seu plano de salvação para todo o mundo. Não somente pela sua preservação em ambientes hostis, como cativeiros e guerras, mas a forma única como teve o seu idioma preservado, o estado judaico sendo criado em apenas um só dia. Como predito pelo profeta Isaias “quem jamais ouviu tal coisa? Quem ouviu coisa semelhante? Pode, acaso,nascer uma terra num só dia? Ou nasce uma nação de uma só vez? Pois Sião, antes mesmo que lhe viesse as dores, deu à luz e seus filhos.” (Is 66.8)
Entre outras, vemos a poderosa mão de Deus conduzindo esta nação, que ainda hoje é alvo de perseguição étnica e religiosa pelo mundo inteiro. Desta forma, conforme colocado pelo apóstolo Paulo em Romanos que “… o que de Deus pode conhecer e manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim como o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas.” Deus faz-se conhecido a todos, que são desta forma, indesculpáveis, pois a observação do universo, do comportamento humano e da sociedade nos leva a crer que existe um Ser infinitamente Poderoso, Superinteligente e moralmente Perfeito, que não só criou todas as coisas, como também as mantém desde que foram criadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *